Disco 4

Direção de Produção:
Jairo Pires - Guti

Coordenação de Produção:
Fernando Adour - Haylton Souza

Técnicos de Gravação:
Ary Carvalhaes - Celinho - Paulo Sergio - Luiz Claudio - João Moreira

Estúdio:
Somil/Phonogram

Arranjos:
Waltel Branco - Perucci

Corte:
Joaquim Figueira

Lay-Out:
Aldo Luiz

Ilustração de Capa:
Luiz Benício

. Eu Me Arrependo - 2:58
(Evaldo Braga / Carmem Lucia)
 
. Por Incrível Que Pareça - 2:55
(Evaldo Braga / Isaias Souza)
 
. Quisera Eu - 2:36
(Evaldo Braga / Tuneca)
 
. Minha Decisão - 3:10
(Clayton)
 
. A Triste Queda - 2:14
(Evaldo Braga)
. Por Uma Vez Mais - 3:30
(Nenéo)
 
. Eu Desta Vez Vou Te Esquecer (Lucky People) - 2:15
(A. Chinick / Versão: Sebastião Ferreira)
 

. Eu Ainda Amo Vocês - 3:58
(Hailton Ferreira / Ana Maria)
 
. Meu Delicado Drama - 2:42
(Isaias Souza)
 
. Porque Razão - 2:52
(Hailton Ferreira)
 
. A Cruz Que Carrego - 2:24
(Isaias Souza)
 
. Noite Cheia de Estrelas - 3:00
(Cândido das Neves "Índio")
 
. Nunca Mais, Nunca Mais - 2:35
(Evaldo Braga / Cezão)
 
. Eu Não Sou Lixo - 2:24
(Evaldo Braga / Pantera / Carmem Lucia)
 

Texto da contracapa:

Dedicatória - Disco Póstumo

Evaldo,
Com seu sorriso largo, sua música e sua vontade de vencer, você esteve pouco tempo entre nós. E ficou para sempre.
Aliados e testemunhas de sua luta para dar o melhor de si e conquistar a admiração e o respeito das multidões, nós sempre encontramos dentro do “ídolo negro” dos auditórios, o homem comum e humilde, a criança pobre, o artista disciplinado e o amigo sincero que você foi sempre. No desespero do início, no aceso da luta e na alegria da vitória.

A sua música povoou de emoção milhares de corações e, cantando suas dores e alegrias, você a fez um pouco de cada um que a ouviu e sentiu.
Para as multidões você será sempre o “Ídolo Negro”. Mas para cada coração, para cada rosto anônimo que o amou de longe, sua voz ficará como a do amigo que dividiu a imensa tristeza e as poucas alegrias de uma vida de lutas e sofrimentos com cada um que ouviu seu canto.

O canto de Evaldo Braga ficará para sempre. Porque ficam para sempre as dores de amor, a solidão, o desespero e a alegria pura e simples de um homem puro e simples, de um grande artista.
Evaldo Braga nasceu no dia 28 de setembro de 1947 em Campos, Estado do Rio e nunca conheceu seus pais: foi abandonado na rua e encontrado por uma senhora do Juizado de Menores que o encaminhou ao SAM (Serviço de Assistência ao Menor), hoje FUNABEM, onde viveu seus primeiros vinte anos.

Evaldo trabalhou numa empresa funerária e numa companhia de aviação e, quando se viu sem possibilidades de conseguir outro emprego, foi engraxar sapatos na porta da Rádio Mayrink Veiga, conhecendo então vários artistas. E foi Isaac Zaltman, que apresentava o programa “Hoje é Dia de Rock”, quem lhe deu a primeira oportunidade. Pouco depois a rádio fechou e Evaldo não tinha sequer onde morar.
Ele dormia nos estúdios da Rádio Metropolitana quando o disk jockey Roberto Muniz conseguiu para Evaldo ajudar na divulgação de Lindomar Castilho. Mas foi na Rádio Globo que encontrou Osmar Navarro, que lhe conseguiu a primeira gravação. O disco não chegou a fazer sucesso.

Foi na Polydor que Evaldo conseguiu seu primeiro grande sucesso, o compacto “Só Quero” que, comandou as paradas do país inteiro e vendeu mais de 150 mil cópias. Seguiram-se, sempre com sucesso, o LP “O Ídolo Negro” volume 1 e 2.
Aos 25 anos, no dia 31 de janeiro de 1973, num acidente automobilístico na estrada Rio-Belo Horizonte, morria Evaldo Braga, encerrando-se tragicamente uma carreira curta mas vitoriosa.
Cia. Brasileira de Discos Phonogram.